Passagem Literária da Consolação

fuera

Julián Fuks

Chamemos de mal-estar nas livrarias. Sei que não sou o primeiro a sofrer desse infortúnio, sei que não serei a última de suas vítimas. Em algum inventário de novas patologias há de estar descrito esse desconforto específico, a um só tempo intenso e sutil, que pode acometer o sujeito que vagueia entre longas estantes de volumes lustrosos e apelativos. Uma náusea, talvez, uma ânsia cuja causa é difícil de distinguir: algo na ordem excessiva dos livros, em sua prontidão obediente, algo em sua evidente hierarquia. Quanto maior a loja, quanto mais transparentes suas vitrines, mais forte o sentimento – mas nas pequenas livrarias de rodoviárias e aeroportos o mal pode alcançar dimensões imprevistas.

Estou certo de que o fenômeno se alastra por uma centena de países, mas também de que ele encontra em São Paulo uma de suas áreas endêmicas. Os habitantes ainda letrados da cidade, obrigados às grandes cadeias e suas megastores intransponíveis, quase não dispõem de alternativas para passear livremente entre livros e perpetrar suas aquisições costumeiras. Dispõem, no entanto, de um ligeiro antídoto – ou de um consolo, como o nome sugere. Cruzando por baixo uma das principais avenidas, a Passagem Literária da Consolação oferece um alívio para pulmões entupidos de tanta purpurina, um respiro com a poeira dos velhos livros esquecidos. Nada de ordem mercantil; apenas a desordem própria da vida. Nada de imagens e slogans chamativos; apenas umas quantas capas desbotadas pelos dias. Nada de preços extorsivos; apenas o valor imprescindível aos bolsos de um punhado de livreiros organizados em cooperativa.

Claro, ninguém encontrará ali o último lançamento do escritor pop do momento, ou obscuras raridades apreciadas pelos críticos. Também não chega a ser uma tradição das mais longevas: não posso inventar longas tardes que passei naquela galeria em leitura ininterrupta, entregue às letras e seu prazer impoluto, e sua indelével pedagogia. Devo ser sincero: não é sequer um dos meus habituais destinos. Mas toda vez que passo ao acaso por ali sinto que algo se distende em mim, que algo em meu íntimo enfim se consola, que posso seguir meus passos e meus dias bastante mais tranquilo.

*

dentro

Passagem Literária da Consolação: passagem de pedestres na esquina entre as avenidas Consolação e Paulista.

* *

Imagens: Julián Fuks

* *

BACK / VOLTAR

foto JulianJulián Fuks is a writer and literary critic. He was born in São Paulo to Argentine parents, and these origins can be overwhelming. He has managed to free himself somewhat from this excess of influence with a few of his books: Histórias de literatura e cegueira (Stories of Literature and Blindness), a work of fiction about Borges and other illustrious blind individuals, and Procura do romance (In Pursuit of the Novel), a work in indirect dialogue with Saer and Macedonio, prophets of the literary apocalypse.


Published on November 19th of 2013 in Guest Languages, Tongue Ties.



[ + bar ]


John Freeman

 

THE HEAT

At night as the heat’s warble strummed to a ticking silence, and the crabgrass turned blue then green then black, the branches above would relax and gently pluck my window-screen, like the dark-haired woman who, years... Read More »


On Translating a Translation

 

Adam Z. Levy

For all the theories of translation one disavows or keeps tacked above the bed, there remain certain unscientific gut-level questions like: Have I gone too... Read More »


Smoke

Giovanna Rivero translated by Rachael Small

The pointless memories are the most beautiful ones. I must have been, what, eight years old when this guy with a... Read More »


Maxine Chernoff

For every appetite there is a world. —Bachelard

You starred in the movie with Maud Gonne and Socrates and Juliet and a flock of sparrows... Read More »



» subscribe!

Newsletter